Home Notícias Prefeitura nega proibição da venda de salada por baianas

Prefeitura nega proibição da venda de salada por baianas

10 min read
Comentários desativados em Prefeitura nega proibição da venda de salada por baianas
0
116

A proibição da comercialização de saladas nos tabuleiros das baianas de acarajé foi desmentida pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), por meio de nota, nesta terça-feira, 1º. Ainda segundo a SMS nas capacitações realizadas rotineiramente junto à categoria, são prestadas orientações sobre a implantação e implementação de boas práticas de manipulação de alimentos, o que inclui o preparo das saladas. Os riscos à saúde são eliminados quando há boa higiene do local de preparo e do próprio manipulador.

A prefeitura atualizou nesta terça a regulamentação das baianas de acarajé e mingau. O decreto foi assinado pelo prefeito ACM Neto. O decreto que atualiza a legislação de 25 de novembro de 1998.

De acordo com o documento, as atividades desenvolvidas pelas baianas e baianos de acarajé e mingau dependerão de uma licença emitida pela Secretaria de Ordem Pública (Semop), em caráter pessoal e intransferível. Em caso de morte do titular, poderá ser liberada um nova licença para o herdeiro que esteja seguindo o ofício da pessoa licenciada. Para comercialização dos produtos, definidos como acarajé, abará, cocada, queijada, bolinho de estudante, peixe e passarinha frita, os licenciados devem respeitar as normas de saúde previstas e impostas pela Vigilância Sanitária de Salvador.

“As baianas tornaram Salvador diferente das outras cidades do Brasil e do mundo. Ninguém pode imaginar esta cidade sem essa figura. É preciso garantir a proteção, preservação e reconhecimento da atividade através deste decreto, que necessitava de atualização e que foi construído através de diálogo”, disse o prefeito por meio de nota.

Os baianos e baianas também devem ter atestado de saúde e dos exames complementares terão as iguarias periodicamente submetidas a inspeções da Vigilância Sanitária, que vai coletar amostras para realização de exames laboratoriais. Os baianos e baianas de acarajé deverão ainda usar vestimenta típica de acordo com a tradição da cultura afro-brasileira. Para as mulheres, a indumentária é composta por bata, torso, saia de tecido branco ou estampado e, para os homens, a vestimenta engloba calça, camisa e bata na cor branca e cofió (chapéu típico), informou a prefeitura.

Categorias
Foram definidas três categorias de atuação para os licenciados. A categoria A é para uso da área ocupada em 9m², tabuleiro de madeira em 2 x 0,80m e ombrelone branco de 3 x 3m. Já a categoria B atua em área de 4m², tabuleiro de madeira em 1,40 x 0,80m e ombrelone branco em 2,50 x 2,50m. Por fim, a categoria C é para uso da área ocupada em 2m², tabuleiro de madeira em 1,20 x 0,60m e ombrelone branco em 2,50 x 2,50m.

A presidente da Abam, Rita Santos, pediu empenho de todas as baianas para que as determinações do documento sejam cumpridas. “Não adianta a atualização do decreto se vocês não ajudarem a fiscalizar. É necessário estarem atentos à vestimenta, à apresentação do tabuleiro, enfim, queremos as baianas de fato representando a cidade”, salientou.

Mingau
Já as baianas e baianos de mingau possuem como característica essencial e exclusiva a comercialização de mingau, bolos, pamonha e doces caseiros, feitos de frutas sem ovos ou produtos de origem animal. No caso dos doces, os produtos devem estar protegidos e com etiqueta possuindo dados de identificação de validade e produção.

A vestimenta para mulheres deve ser de bata ou guarda-pó na cor branca e, para os homens, calça ou bermudão, camisa e guarda-pó na cor branca, além do cofió. As baianas e baianos de mingau estão divididos em dois grupos: a categoria A, para área ocupada de 4m² e tabuleiro de madeira em dimensões de 2,50 x 2,50m, e a categoria B, para aqueles que ocupam área de 2m² e tabuleiro de madeira em 2,50 x 2,50m.

Procedimentos
O decreto determina ainda que as baianas e baianos de acarajé e de mingau não podem produzir alimentos nas vias e áreas públicas, sendo permitido apenas a finalização (fracionamento, fritura e montagem do alimento pré-preparado). Os produtos devem estar dispostos de forma organizada, separada e em recipientes de forma a manter a qualidade e conservação. Além disso, devem estar devidamente protegidos contra contaminação e não é permitida a utilização de tecidos ou materiais porosos para cobrir os alimentos. Também está proibida a comercialização de bebidas alcoólicas.

O licenciado deve também realizar manutenção periódica dos equipamentos e utensílios, incluindo os de medição, manter a limpeza da área onde atua, coletar e armazenar os resíduos sólidos e líquidos em sacos plásticos resistentes para descarte, manter higiene pessoal e os documentos necessários para identificação da atividade, dentre outras determinações. Os baianos e baianas devem ainda apresentar certificados de capacitação presencial ou de cursos à distância sobre boas práticas de manipulação e comercialização de alimentos emitidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou por instituições de ensino reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC).

Os baianos e baianas de acarajé e mingau não podem atuar fora do espaço licenciado, incluindo áreas em frente a monumentos, imóveis tombados e passarelas, por exemplo. O licenciamento deverá ser feito por meio da Semop, que considerará, dentre outros documentos, o de comprovação de exercício do ofício em conformidade com o Registro do Bem Imaterial da Cultura Brasileira, emitido pelo Conselho Municipal da Comunidade Negra (CMCN). A fiscalização será feita pela Semop, em parceria com a Sucom.

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Redação
Carregar mais em Notícias
Comentários fechado.

Vejam também

Clubes de remo de Salvador recebem barcos da Sudesb

Clubes de remo de Salvador receberam, neste domingo, 25, quatro barcos lambaris, nome atri…