Home Notícias Quatro são presos durante ação para combater fraude fiscal

Quatro são presos durante ação para combater fraude fiscal

6 min read
Comentários desativados em Quatro são presos durante ação para combater fraude fiscal
0
116

Quatro pessoas foram presas graças a uma força-tarefa envolvendo o Ministério Público e as secretarias estaduais da Fazenda e da Segurança Pública, que deflagrou um esquema de fraude fiscal e de concorrência desleal em licitações públicas, no último sábado, 14. Outras cinco pessoas estão foragidas.
De acordo com as informações da investigação, divulgada durante entrevista coletiva na manhã deste domingo, 15, o esquema era realizado por dois grupos que promoviam uma espécie de competição entre si. A equipe de Rafael Prado (  filho do apresentador da TV Aratu Casemiro Neto) que foi preso junto com a esposa Ariana, em São Paulo -, já teria aberto mais de 15 empresas com ‘laranjas’ para a prestação de serviço em licitações e com sonegação de impostos. A funcionária do casal, suposta ‘laranja’, Tatiane Ramos está foragida.
O grupo dos irmãos Matos abriu mais de 10 empresas nos últimos anos para os mesmos fins. César Matos e a suposta ‘laranja’ Maria de Fátima Andrade foram presos neste domingo, em Salvador.

O primeiro está em uma unidade de delegacia nos Barris e a mulher vai ser encaminhada para o presídio feminino. Bruno e Ricardo Matos, e dois funcionários dos irmãos (Washington Mendes e Marcos Menezes) também estão foragidos.

Segundo representantes dos órgãos, mais de 25 empresas foram criadas ao longo dos três anos de investigação. A proposta dos empresários era utilizar ‘laranjas’ para abrir empresas que seriam inativadas logo após as fraudes. O valor estimado do prejuízo causados aos cofres públicos devido às fraudes fiscais é de R$ 4,5 milhões. E, no período de investigação, as empresas movimentaram cerca de R$ 83 milhões.

“Os empresários participavam de licitações públicas para fornecer produtos para prefeituras da Bahia, principalmente livros e material escolar. No entanto, não entregavam os materiais e quando o faziam e tudo de má qualidade”, revelou o promotor de justiça Luiz Alberto Pereira.
Inspetora fazendária de investigação e pesquisa da Secretaria da Fazenda, Sheilla Cavalcante contou que as investigações foram motivadas por denúncias anônimas e pela criação de um relatório de informações fiscais que apontavam a utilização de laranjas para a sonegação de impostos.

Prisão provisória
Um dos advogados dos irmãos Matos, Carlos Henrique Magnavita Júnior afirmou que ainda não é possível montar uma defesa pois não tiveram, até este domingo, acesso aos dados colhidos na investigação. “Não sabemos o teor do caso. O que podemos assegurar é que eles [os irmãos] não trabalhavam juntos e que não temos conhecimento de fraudes”, disse.

O jurista Diego Castro, que também defende os irmãos, declarou que não havia conseguido contato com Bruno desde a prisão de César. A prisão dos envolvidos ainda é provisória e pode durar cinco dias, prorrogáveis por mais cinco.

O delegado Marcelo Sanfront ressaltou que as investigações e os interrogatórios – que devem durar mais 30 dias, podendo ser prorrogados -, continuam e, após a conclusão desta etapa, será feita uma denúncia criminal para que os envolvidos respondam pelos devidos crimes.

“Há indícios de que a Prefeitura de Salvador e de outras cidades da Bahia, do Nordeste e do Norte tenham sofrido fraude. Os empresários e os ‘laranjas’ podem responder pelos mesmo crimes, pois todos tinham conhecimento das fraudes

Tudo era consentido” frisou Sanfront.

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Redação
Carregar mais em Notícias
Comentários fechado.

Vejam também

Clubes de remo de Salvador recebem barcos da Sudesb

Clubes de remo de Salvador receberam, neste domingo, 25, quatro barcos lambaris, nome atri…