Home Cultura Subúrbio oferece belas paisagens e locais aprazíveis

Subúrbio oferece belas paisagens e locais aprazíveis

8 min read
Comentários desativados em Subúrbio oferece belas paisagens e locais aprazíveis
0
103

Nem só de desastres, acidentes ou tráfico de drogas vive o Subúrbio, aqui nós possuímos diversas belezas naturais, belas praias, belos restaurantes e até mesmo uma cachoeira. Confira abaixo uma matéria publicada no ATARDE sobre o lado mais lindo da suburbana.

Por: Franco Adailton

Por detrás das mazelas sociais do subúrbio, esconde-se uma bela Salvador pouco observada pelo olhar desatento do soteropolitano. Em meio ao aglomerado de bairros, a localidade desnuda encantadoras possibilidades a serem exploradas: natureza abundante, história, cultura e culinária.

Desbravar os recantos do Lobato, Enseada do Cabrito, Parque São Bartolomeu, Plataforma, Escada, Tubarão e São Thomé de Paripe, “o paraíso dos presidentes”, demanda sair da zona de conforto muitas vezes imposta pelo caos urbano, que limita a visão um pouco mais romântica sobre a cidade.

A viagem mais curta para o outro lado de Salvador pode começar com a travessia de barco por R$ 1,30 (inteira), a partir da Enseada dos Tainheiros, na Península Itapagipana da Ribeira. A primeira parada é o bairro de Plataforma, separado de São João do Cabrito por uma tênue divisa imaginária.

Logo de cara, o visitante é recepcionado pelas ruínas da antiga fábrica têxtil São Brás, construída no final do século XIX, no bairro que deu origem ao subúrbio, quando o conquistador holandês Maurício de Nassau desembarcou na localidade 200 anos antes.

No mesmo local, por volta de 1637, os jesuítas erigiram a capela de São Brás, voltada para as águas da Baía de Todos-os-Santos. Numa rápida volta pela praça homônima do santo, ainda é possível ver os casarões da Vila Operária, que ainda resistem à modernização das moradias.

É pelas paredes do bairro que o poeta Péricles de Santana, 53 anos, escreve seu “livro a céu aberto” para valorizar a cultura local. “Minha terra tem palmeiras, onde o trem passa por lá. De frente para a Ribeira, havendo divisa para o mar”, cita, em paródia à Canção do Exílio, de Gonçalves Dias.

Na carona da abstração, a mulher dele, Nalva de Santana, 42 anos, materializa o cotidiano do subúrbio por meio de acrílica sobre tela. “Fico feliz quando as pessoas reconhecem nosso trabalho, porque conseguimos mostrar que o subúrbio não é só violência”, orgulha-se.

Se a fome apertar, basta apreciar a culinária à base de frutos do mar no restaurante Boca de Galinha, que funciona de sexta-feira a domingo, entre 11h e 20h, a depender do dia. “Não enjoo de apreciar o pôr do sol sobre o mar”, diz Edinilton de Souza, filho do fundador do estabelecimento.

Cachoeira do Parque São Bartolomeu

Ferrovia

Caso o interesse seja fazer um roteiro apenas contemplativo, o passeio ao subúrbio também pode ser feito de trem, por R$ 0,50 (inteira). Desde a Calçada até Paripe, o passageiro percorre dez estações em 13 quilômetros, a maior parte deles sentindo a brisa do mar.

No trajeto, vale destacar o cruzamento sobre a ponte São João, considerada o cartão-postal do subúrbio. Com um vão de 450 metros, a obra de engenharia construída a mando do imperador dom Pedro II, originalmente em 1860, divide ao meio as enseadas do Cabrito e dos Tainheiros.

Da janela esquerda sentido Paripe, tem-se uma vista panorâmica de Salvador: Ribeira, Ponta do Humaitá e Farol da Barra. Do lado direito, é possível ver o balé das garças, ávidas pelos peixes trazidos por pescadores ao Porto das Sardinhas, em São João do Cabrito.

Via terrestre

Por terra, o principal acesso à região é a avenida Afrânio Peixoto, conhecida como Suburbana. São 13 km entre a Baixa do Fiscal e o bairro de Coutos. No caminho, vale parar no Parque São Bartolomeu, área de 75 hectares, que já foi habitada pelos tupinambás, no século XVI.

O local já foi palco do único combate da luta pela Independência da Bahia na capital, em 7 de novembro de 1822. “Sempre venho aqui tirar fotos”, conta o estudante  Marcelo Matos, 17 anos.

Para ir às melhores praias da região, Tubarão e São Thomé de Paripe, a alternativa é encarar os 10 quilômetros da BA-528 (Estrada do Derba), a partir de Águas Claras, na BR-324. “Muita gente acha que o roteiro turístico acaba na Ribeira, mas o subúrbio tem muito a oferecer”, aponta o produtor cultural Fabrício Cumming.

Com informações: ATARDE On-line
Fotos: Google

 

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Redação
Carregar mais em Cultura
Comentários fechado.

Vejam também

Clubes de remo de Salvador recebem barcos da Sudesb

Clubes de remo de Salvador receberam, neste domingo, 25, quatro barcos lambaris, nome atri…