Home Economia Bolsa volta a bater recorde e vai a 105 mil pontos

Bolsa volta a bater recorde e vai a 105 mil pontos

8 min read
0
0
65

Bolsa brasileira bateu recorde mais uma vez. A expectativa de que a reforma da Previdência seria aprovada no plenário da Câmara na quarta-feira (10) e a sinalização de um corte de juros nos EUA levaram o Ibovespa aos 105.817 pontos, alta de 1,23%. O dólar acompanhou e recuou 0,7%, a R$ 3,759, menor patamar desde fevereiro.

De acordo com a Folha, outro indicador que surfou no otimismo do mercado foi o risco-país do Brasil medido pelo CDS (Credit Defaut Swap), espécie de seguro contra calote. O contrato de cinco anos está no menor patamar desde setembro de 2014, antes das eleições presidenciais que reelegeram Dilma Rousseff.

Ontem, o CDS recuou 4,6%, a US$ 132,66. No ano, o contrato acumula queda de 42% e se iguala ao recuo total de 2017. Por ser um derivativo de crédito que protege o risco de calote da dívida soberana, o CDS funciona como um termômetro para a aposta do mercado financeiro no país. Com o avanço da reforma da Previdência, investidores veem uma melhora na saúde fiscal do Brasil e, em consequência, na capacidade do Estado de pagar as contas.

A máxima do risco-país foi em setembro de 2015, quando o contrato de cinco anos chegou a US$ 533,32. À época, a economia brasileira entrou em recessão técnica com a queda do PIB e a agência de risco Standard & Poor’s (S&P) retirou o selo de bom pagador do Brasil.

Desde então, o cenário piorou e a categoria de investimento foi rebaixada mais três vezes, o que indica aumento risco de calote.

O selo de bom pagador do país pelas três agências de risco (Moody’s, S&P e Fitch) foi adquirido no segundo mandato de Lula, entre 2008 e 2009. Esta classificação é importante por ser exigida como condição de investimento por fundos de pensão e de investimento que aportam grandes quantias em títulos de dívida de governos.

Além do andamento das reformas e da recuperação do PIB, o grau de investimento é tido como fundamental para o retorno do investimento estrangeiro no país. No ano, o balanço de investimentos estrangeiros da Bolsa contabiliza saída de R$ 3,6 bilhões. Em 2018, o saldo é negativo em R$ 11,5 bilhões.

Ontem a Bolsa chegou, no momento do dia, aos 106.650 pontos, nova máxima intraday. O giro financeiro foi R$ 23 bilhões, acima da média, devido ao otimismo de investidores e à volta de feriado. Como a Bolsa não funcionou na terça (9), as ações tiveram um maior volume de negociação para acompanhar a alta de 1% dos ADRs (American Depositary Receipts), ações brasileiras negociados nas Bolsas americanas, na véspera.

Além da reforma da Previdência, o discurso do presidente do Fed (banco central americano), Jerome Powell, animou investidores. Na quarta, Powell discursou no Congresso americano e prometeu “agir conforme apropriado” para proteger o crescimento da economia americana de disputas comerciais e da desaceleração global.

Apesar de fortes dados do mercado de trabalho em junho, que dificultam um corte de juros, o presidente disse haver muitos fatores que ameaçam a expansão, como o enfraquecimento de outras economias, guerras comerciais e inflação baixa.

Também foi divulgada na quarta a ata da última reunião do Fed, na qual a maioria dos membros reconhece a necessidade de um corte de juros em breve, caso os riscos à economia americana não se dissipem.

Com a expectativa de corte de juros, o índice Nasdaq de tecnologia bateu o recorde histórico, aos 8.202 pontos, em uma alta de 0,75%. O índice S&P chegou a tocar a máxima de 3 mil pontos, mas fechou abaixo do recorde, com alta de 0,45%. Dow Jones subiu 0,3% e também encostou no pico histórico.

Como efeito, o DXY, índice que mede a força da moeda frente aos principais pares mundiais, recuou 0,38%, o que contribuiu para a queda do dólar no Brasil.

A tendência de corte de juros também ganhou força por aqui. Nesta quarta, o contrato futuro de juros de setembro foi para 6,20%, precificando uma queda de 0,25 ponto percentual na taxa Selic. De setembro em diante, todos os contratos registram queda, impulsionada pelo IPCA.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo, taxa oficial de inflação, recuou em junho para 0,01%, menor taxa desde novembro de 2018. O número fraco reforça a expectativa de cortes na taxa Selic ainda neste ano.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Pedro Silveira Leite
Carregar mais em Economia
Comentários fechado.

Vejam também

Obras da nova sede da Prefeitura-bairro Cajazeiras foram vistoriadas nesta terça

Detalhes das obras da nova sede da Prefeitura-bairro Cajazeiras foram vistoriados pelo sec…