Home Colunistas Cazuza não Iria Engolir o Fascismo – Quanta Saudade do “Caju”

Cazuza não Iria Engolir o Fascismo – Quanta Saudade do “Caju”

5 min read
0
0
27

Estamos vivendo dias sombrios e de incertezas voltados ao cenário político-nacional. São várias as diversas vibrações de ódio, vingança e de poder. Uns querendo ser melhores que os outros, brigas em família, entre amigos e nas redes sociais. É preocupante o quanto um período eleitoral pode mexer com a população de um Estado e também por revelar a verdadeira identidade daqueles que sempre foram falsos moralistas e hipócritas.

Todo esse cenário me faz lembrar de uma personalidade que parece estar entre nós e que ainda grita. Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza, faz falta! Sábado passado ao chegar para uma aula lá na Universidade Católica, me direcionei à cantina, sentado me alimentando e  lendo, observava ao meu redor. Escutava oriundo de longe uma conversa de quanto personalidades marcantes fazem falta no nosso Brasil para militar, lutar e dizer com a arte, com a música e dando a cara para bater: tortura jamais! Cazuza, Renato Russo, Raul Seixas, Jorge Amado e entre outros grandes nomes, fazem falta!

Tenho certeza que se vivo, Cazuza não iria engolir nada disso… resistência seria seu nome. A preocupação é que em cada personalidade brasileira sepultada como o “Caju”, sepultamos as lutas, as formas de resistir e de alertar que não somos idiotas, que somos mais amor e só queremos paz. Pego-me em devaneios imaginando “Caju” fazendo os atos políticos, cantando, dizendo a verdade e expressando a partir da arte o que muitos brasileiros covardemente tem medo de fazer e engolem tudo, vivendo ilhados por detrás de diversas máscaras das redes sociais e tecnologias.

Frases como: “Eu vejo o futuro repetir o passado”; “O meu prazer agora é risco de vida”; “O meu amor agora está perigoso. Mas não faz mal eu morro, mas eu morro amando”; São palavras de uma eterna personalidade que faz falta e que mesmo em memórias póstumas, grita aos brasileiros para não se curvarem ao discurso de ódio e de opressão às minorias, por questões sexuais, de gênero, religiosas, territoriais, culturais etc.

Em suma, sejamos conscientes no próximo domingo ao escolher o futuro do nosso país. Acredito que se estivesse vivo, Cazuza ao ver tudo isso, após ter lutado tanto, diria mais uma vez: “A gente aguenta como dá, sorri falso enquanto pode e finge que está bem enquanto consegue.”  Cuidado, senhores! O futuro do nosso país, das novas gerações e da nossa vida está em nossas mãos.

Por Mateus Mozart Dórea – Filósofo pelo destino. Graduando em Direito pela Universidade Católica do Salvador.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Mateus Mozart Dórea
Carregar mais em Colunistas
Comentários fechado.

Vejam também

Samba, Presidente

Acordei na última segunda-feira 29 com uma dor de cabeça tremenda por enes motivos que vin…