Home Notícias Duas vacinas que protegem contra difteria estão em falta

Duas vacinas que protegem contra difteria estão em falta

9 min read
Comentários desativados em Duas vacinas que protegem contra difteria estão em falta
0
108

vacina DTP —também conhecida como tríplice bacteriana, que protege contra difteria, tétano e coqueluche— e a pentavalente, que imuniza contra as mesmas doenças, além da hepatite B e da bactéria Haemophilus influenzae tipo B (responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta), estão em falta no país.

Na DTP, o primeiro reforço é dado aos 15 meses e o segundo entre 4 e 6 anos de idade. No caso da pentavalente, a imunização acontece após a aplicação de três doses, aos dois, quatro e seis meses de vida. O esquema vacinal completo garante a proteção contra as doenças até os 39 anos de idade, pelo menos.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina pentavalente, adquirida por intermédio da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), foi reprovada em teste de qualidade feitos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Por este motivo, a OMS (Organização Mundial da Saúde) interrompeu as compras do antigo fornecedor, a indiana Biologicals E. Limited.

A pasta solicitou a reposição do fornecimento à Opas, mas não há disponibilidade imediata da vacina pentavalente no mundo.

Desde agosto, 6,6 milhões de doses começaram a chegar de forma escalonada no Brasil. A previsão é de que o abastecimento volte ao normal a partir de novembro.

Quanto à vacina DTP, o órgão diz que houve problemas com a conservação das vacinas durante a distribuição. A Anvisa aguarda parecer da Opas para avaliar a liberação do produto. Assim que as doses estiverem disponíveis, a situação será regularizada.

Atualmente, há doses suficientes para a realização de bloqueios vacinais, caso surtos inesperados apareçam, segundo o ministério.

De acordo com o Ministério da Saúde, neste ano não houve casos de difteria no Brasil. A doença voltou a ser uma preocupação na América Latina porque o Haiti e a Venezuela enfrentam surtos desde 2014 e 2016, respectivamente.

Segundo a Opas, desde 2014 até a metade deste ano o Haiti notificou 870 casos prováveis, 281 confirmados e 110 mortes. De 2016 até julho deste ano, na Venezuela foram registrados 2.956 casos suspeitos, dos quais 1.726 se confirmaram e 287 resultaram em mortes.

Lely Guzman, especialista em imunização da Opas, ressalta que a difteria é uma doença considerada controlada nas Américas. “Mas é um controlado entre aspas, porque a situação de Haiti e Venezuela acende um alerta para a região e os países que fazem fronteira, como a Colômbia, o Brasil e a República Dominicana. As populações não vacinadas estão vulneráveis a surtos de difteria.”

O ideal é que os pais evitem deixar os filhos expostos em aglomerações se o esquema vacinal deles estiver incompleto. O SUS diz que fará busca ativa pelas crianças não vacinadas quando os estoques forem normalizados.

Outras duas vacinas preconizadas no Calendário Nacional de Imunização também protegem contra a difteria: a dT (Dupla Adulto), cujo reforço deve ser ministrado a cada dez anos, e a dTpa (Tríplice Bacteriana acelular do tipo adulto), exclusiva para gestantes e puérperas —recomenda-se a aplicação de uma dose a cada gestação a partir da 20ª semana ou no puerpério, ou seja, até 45 dias após o parto. Para profissionais de saúde, é recomendada uma dose extra após cinco anos da última vacinação.

O infectologista do Sabará Hospital Infantil, Francisco Ivanildo Oliveira Júnior, alerta que a dT até pode ser ministrada a crianças, mas que o componente de imunização para difteria é menor nesta vacina. Além disso, a dT não oferece a proteção contra a coqueluche.

A Opas recomenda que adultos que estiverem há mais de cinco anos sem serem vacinados contra a difteria e que viajarão para onde há surtos tomem uma dose de reforço da vacina.

Na sexta-feira (4), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciou o repasse de um recurso adicional para incentivar a vacinação de crianças contra o sarampo.

O aporte financeiro está condicionado ao cumprimento de duas metas. Uma delas obriga os municípios a informarem mensalmente o estoque das vacinas poliomielite, tríplice viral (que protege contra sarampo, rubéola e sarampo) e pentavalente.

VACINAS QUE PROTEGEM CONTRA DIFTERIA
Em falta

Pentavalente
Previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e bactéria Haemophilus influenzae tipo B (responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta)

São ministradas 3 doses, aos dois, quatro e seis meses

DTP ou Tríplice Bacteriana
Previne difteria, tétano e coqueluche

1º reforço aos 15 meses
2º entre quatro e seis anos

Disponíveis

dT (Dupla Adulto)
Previne difteria e tétano
Reforço deve ser ministrado a cada dez anos

dTpa (Tríplice Bacteriana acelular do tipo adulto)
Previne difteria, tétano e coqueluche

Exclusiva para gestantes e puérperas

Uma dose a cada gestação a partir da 20ª semana ou no puerpério, ou seja, até 45 dias após o parto

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Pedro Silveira Leite
Carregar mais em Notícias
Comentários fechado.

Vejam também

Unidade móvel do TRE oferece cadastramento biométrico na praça do Senhor do Bonfim !

Começou na última segunda-feira (18), e vai até a próxima sexta-feira (22), os serviços de…