Home Colunistas Entrevista – Flávia Wenceslau

Entrevista – Flávia Wenceslau

13 min read
0
0
56

Por Mateus Mozart Dórea – Filósofo pelo Destino – Graduando em Direito pela Universidade Católica do Salvador

No último final de semana Salvador foi presenteado com um show regado por boa música e belas composições. Flávia Wenceslau retornou aos palcos da nossa capital e mostrou mais uma vez que fez a escolha certa: escolher a Bahia para sua morada. É aqui que ela reside atualmente e diz com plena certeza que, consegue inspiração para compor e cantar cada vez mais. Foram duas apresentações: no sábado 10/08 e domingo 11/08 no Teatro do ISBA em Ondina. Na oportunidade, a mesma me recebeu para um bate papo e falou um pouco da sua carreira e sua felicidade em apresentar ao público esse seu novo trabalho titulado “Minha Música tem História.” Confira:

Quem é Flávia Wenceslau?

Flávia Wenceslau: Eu sou uma cantora e uma compositora paraibana e vir morar aqui na Bahia tem mais de 10 anos e foi por um motivo pessoal, familiar. O meu irmão mais novo sofreu um acidente na época e se tornou paciente do hospital Sarah Kubitschek pois lá na Paraíba não tinha esse tipo de hospital, então nos mudamos para cá para podermos dar essa atenção ao meu irmão, aí fiquei por aqui, moro há mais de 10 anos, já me adaptei, me acostumei. Já aconteceram várias outras coisas boas como meus filhos que nasceram aqui, então, já me “abaianei”.

A Bahia em si tem uma inspiração para você?

Flávia Wenceslau: A Bahia ela por si só tem uma inspiração, um ar agradável, um povo que acolhe várias crenças, vários tipos de manifestações artísticos e expressões humanas, então, pelo contexto que a Bahia se encontra, ela é diferenciada, tem com certeza uma inspiração, na alegria do povo, no jeito do povo, na musicalidade eu acho que aqui na Bahia tem algo na musicalidade principalmente percussiva que não tem em nenhum outro lugar do mundo, então, assim como outros Estados no país, a Bahia tem suas especialidades. Ela é especial da forma dela.

Suas músicas e composições tem por detrás histórias. Como é passar esse sentimento por intermédio da música para seus fãs?

Flávia Wenceslau: Eu escrevo muito a partir de experiências próprias. O meu trabalho é autobiográfico, não sou uma escritora de ficção, uma compositora que escreve letras fictícias e até os textos que escrevo na internet também. O meu trabalho escrevo sobre os meus sentimentos, acontecimentos, reflexões da vida, dos meus aprendizados porque sou uma pessoa que tem uma busca interior, então é uma música muito no contexto das coisas que eu sinto, vivo, nos sonhos e esperanças que eu ainda tenho e trago.

Essas histórias das músicas e composições frentes ao seu papel em ser mãe, foi um motivo também de inspiração?

Flávia Wenceslau: Sim, ser mãe é um caminho também que a gente começa a trilhar quando tem filho. Um caminho novo que nunca trilhamos e que não sabemos como irá ser, vem outras experiências, outros referenciais mais é um caminho que anda com os nossos próprios pés em que tem infinitos aprendizados pois vivemos em um mundo em que temos que saber o que é importante ensinar e fortalecer aos filhos para que eles cresçam e para mudar o mundo. Com certeza, filho é uma benção, uma inspiração.

Quais composições que você se inspirou para seus filhos?

Flávia Wenceslau: Eu fiz uma música para cada um deles quando nasceram. Cada um tem uma música muito bonita.

Quais cantores já gravaram as composições de Flávia Wenceslau?

Flávia Wenceslau: Minhas composições já foram gravadas por alguns artistas nacionais. A primeira cantora que cantou músicas minhas é de lá de Pernambuco chamada Irá Caldeira, depois quando vir para a Bahia Mariene de Castro gravou, Margareth Menezes já gravou comigo no meu disco e ela gravou uma música agora no CD dos trinta anos de carreira na Concha Acústica, Maria Bethânia já gravou músicas minhas no DVD 50 anos de carreira dela e agora nesse show que ela está em cartaz, tem uma música minha também, Santana já gravou, o padre Fábio de Melo também e Waldonys – um grande sanfoneiro. Possa ser que não esteja lembrando de todos, mas tenho sido gravada com certa frequência com os artistas que se identificam com minha musicalidade, o que me honra e me deixa muito feliz.

Qual música ou composição que te emociona ao estar no palco cantando?

Flávia Wenceslau: Tem algumas músicas que são especiais para mim pelo contexto. Para dizer uma assim é um pouco difícil, mas vou dizer uma que não é tão velha assim, mas recente que é uma canção que ganhei no troféu Caymmi como uma categoria de melhor canção e melhor intérprete que é a música “Por uma Folha”.

Quando foi que Flávia começou a cantar, a compor e a despertar esse desejo da música?

Flávia Wenceslau: Comecei a cantar na minha infância, na igreja porque meu pai era pastor evangélico e escrever só comecei após os 20 anos de idade onde vi a necessidade de falar por mim mesma e tudo o que eu senti, aí comecei a escrever minhas canções.

Nesse espetáculo aqui no teatro do Isba titulado “Minha Música tem História” qual o significado dele tanto para você quanto para quem veio prestigiar?

Flávia Wenceslau: É um show que me aproxima mais do meu público porque eu conto a história das canções e na maioria das vezes são histórias que as pessoas não imaginam que são aquelas histórias, que as coisas aconteceram daquela forma que eu trago. Tive uma vida e uma infância muito marcada por acontecimentos muito fortes, então, exponho no meu show a minha música e conto sobre meu caminho, de onde venho e esse estilo de música que faço esse meu jeito de escrever. Vem da minha própria história e conto um pouco dessa história para meus fãs. É um show que me aproxima mais deles e eles de mim e isso tem me fortalecido cada vez mais.

Além de Salvador, quais outras cidades receberão esse show?

Flávia Wenceslau: Já fizemos em Brasília, Belo Horizonte, agora aqui em Salvador e depois em Ilhéus, São Paulo, Guarulhos, Fortaleza, Curitiba, temos viajado bastante.

Vamos então para o bate bola:

Para Flávia família é?

Resposta: Família é tudo

Amigos são?

Resposta: Parte da Família

Salvador não é Salvador sem?

Resposta: Sem essa beira de mar

Um cantor?

Resposta: Almir Sater

Uma cantora?

Resposta: Mercedes Sosa

Flávia não é Flávia sem?

Resposta: Sem eu mesma, sem esse meu jeito de olhar a vida

Uma cidade?

Resposta: Barcelona

Uma música?

Resposta: O Homem (Roberto Carlos)

Uma frase?

Resposta: “O amanhã cuidará de si mesmo.”

Carregar Mais Artigos Relacionados
  • Quando Somos Marionetes das Redes Sociais

    Nessa semana postei dois vídeos em meu feed do Instagram que falava de dois temas respecti…
  • Entrevista – Dom Chicla

    Que a Bahia é rica em vários aspectos, isso nós sabemos. Essas riquezas têm esse valor não…
  • É Proibido Voltar ao Armário

    No último dia 28 de junho tivemos uma oportunidade para comemorarmos a luta de resistência…
Carregar Mais Por Mateus Mozart Dórea
  • Quando Somos Marionetes das Redes Sociais

    Nessa semana postei dois vídeos em meu feed do Instagram que falava de dois temas respecti…
  • É Proibido Voltar ao Armário

    No último dia 28 de junho tivemos uma oportunidade para comemorarmos a luta de resistência…
  • O Contrato de Namoro

    O direito em si é uma matéria que tende a ser atualizado com muita frequência. É a partir …
Carregar mais em Colunistas
Comentários fechado.

Vejam também

Quando Somos Marionetes das Redes Sociais

Nessa semana postei dois vídeos em meu feed do Instagram que falava de dois temas respecti…