Salvador, 470 anos

5 min read
Comentários desativados em Salvador, 470 anos
1
55

Cidade de São Salvador da Bahia, terra de todos os Santos e toda a magia de um povo festeiro e que possuem uma energia incrível. Nesses 470 anos o cheiro do dendê anuncia que é dia de festa, é dia de ação de Graças, dia de comemorar. Quanta história, quantos anos de luta, bravura e marcos que fizeram e ajudou o Brasil na sua vida política, cultura e fomento aos avanços econômicos. Salvador consuma em ser o coração do Brasil, sem ser a cidade mais elétrica desse nosso país. Sabe por quê? Porque temos o axé dos nossos ancestrais primazes: os negros da resistência, a luta de mulheres como Maria Quitéria e a caridade tão grande de Irmã Dulce.

Há quem chame de Bahia, há quem a chame de Terra de Todos os Santos, há quem a chame de cidade da alegria. Salvador é sem sombra de dúvidas rica em tanta coisa, monumentos, espaços valorosos, terreiros tombados e símbolos que remetem toda a sua vitória perante anos, mas uma a faz sair na frente quando ouvimos a frase de Nizan Guanaes: “baiano não nasce, estreia.” E realmente, Salvador é presenteada nesse dia por personalidades que levam seu nome mundo a fora.

É preciso nesse dia lembrarmos não só os 470 anos dessa primeira capital do Brasil, mas sim, os 70 anos dos filhos de Gandhi, os 45 anos do Ilê Ayê e os 40 do Olodum. Ilustres personalidades que se esforçam ao máximo para manter a identidade baiana visível aos quatro cantos do mundo. É preciso nesse dia não só comemorar, mas sim, avaliar como estamos investindo, ajudando e participando da nossa defesa e divulgação de orgulho em ser baiano. A terra de Jorge Amado, Zelia Gatai, João Ubaldo Ribeiro, de Irmã Dulce, de Gregório de Matos, Castro Alves, dos ilustres juristas Rui Barbosa, Orlando Gomes e Teixeira de Freitas, dos mestres: bimba e pastinha, das bravas mulheres: Joana Angélica, Maria Quitéria e Maria Felipa, de Mãe menininha do Gantois e mãe Stella de Oxóssi, a terra de todos nós, sai na frente com mais de 470 motivos para dizer: somos o celeiro da cultura e da resistência.

Em suma, parabéns, cidade dos poetas! Parabéns, Terra de Todos os Santos! Eu te agradeço por ter me adotado há 5 anos. Agradeço por também estrear em seu interior e vir aos poucos aqui nessa terra onde Anchieta pisou e Raul Seixas gritou, poder falar com orgulho o que Jorge Amado um dia disse: ”Em todas as muitas que andei, eu a revi num detalhe de beleza. Nenhuma assim, tão densa e oleosa. Nenhuma assim para viver”. Gratidão, com joelhos no chão para Conceição da Praia, com flores para Yemanjá, com o axé e a paz de Oxalá, parabéns!

Por Mateus Mozart Dórea – Filósofo pelo destino – Graduando em Direito pela Universidade Católica do Salvador.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por Mateus Mozart Dórea
Carregar mais em Mateus Mozart Dórea
Comentários fechado.

Vejam também

Com Quantos Tiros Seremos Mortos?

Não é de hoje que o medo em ir e vir assola toda a nossa sociedade. Violência por todo can…